Sobre

A África, continente que contribuiu intensamente na formação do Brasil, recebeu relativamente pouca atenção dos meios acadêmicos e políticos ao longo de todo o século XX. Desde o início do novo século, a mudança da política externa brasileira e a promulgação da lei no 10.639/2003, que tornou obrigatório o ensino da história e cultura africana no Brasil, suscitaram novos interesses econômicos, políticos, culturais e acadêmicos sobre o continente. Desse novo contexto faz parte ainda a criação da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira (Unilab), como instrumento de promoção da aproximação brasileira com os países membros da CPLP, a maior parte dos quais africanos. Este grupo de pesquisa busca articular a missão institucional da Unilab aos interesses acadêmicos de pesquisadores e estudantes, propiciando um espaço para a consolidação de investigações sobre a África contemporânea, em sua inserção global. O grupo de pesquisa abordará questões relacionadas aos Estados-nação, às nacionalidades e outras formas de identificação coletiva sub e supranacionais, às línguas, às literaturas e demais formas de expressão artística e produção intelectual, às políticas públicas e à educação numa perspectiva interdisciplinar.

O grupo de pesquisa se propõe a:

1) Promover encontros periódicos internos, gerais e por linha de pesquisa, e eventos acadêmicos abertos ao público, afim de propiciar um intercâmbio permanente de experiências de pesquisa, perspectivas teóricas e abordagens metodológicas, entre especialistas convidados, pesquisadores e estudantes, configurando-se como um espaço de formação avançada.

2) Incentivar a publicação de artigos, capítulos e livros frutos das pesquisas desenvolvidas no âmbito do grupo, de forma a contribuir para a consolidação do grande campo interdisciplinar dos estudos brasileiros sobre a África, e posicionar a Unilab nesse campo como um interlocutor institucional reconhecido pela comunidade acadêmica.

3) Promover discussões e eventos acadêmicos, envolvendo a sociedade civil, em torno de temas de ensino de história, sociedade, literatura e línguas africanas e estrangeiras faladas na África e em suas diásporas, de modo a propiciar a socialização de conhecimentos sobre o continente africano e suas relações com o Brasil produzidos no espaço universitário, contribuindo para enfrentar o difícil problema de sua transposição didática.

4) No mesmo sentido, promover atividades de extensão, visando atendimento a crianças, jovens e adultos em locais institucionais ou não fora da Unilab , como também promover cursos de aperfeiçoamento e especialização, presenciais e à distância, para  nossos alunos e ​os professores dos sistemas estaduais e municipais dos locais em que a Unilab está inserida​. Nesse sentido dois programas junto a Proex já funcionam: um no Ceará, denominado Áfricas do Joá; e outro na Bahia, denominado Áfricas do Charéu.

​5) Incentivar​ publicação de materiais didáticos e de referência voltados para o ensino básico brasileiro, tendo em vista a implementação da lei no 10639/2003.

​6​) Internamente, auxiliar a Unilab na elaboração de políticas institucionais que impliquem as questões de cooperação solidária, integração, interculturalidade e desenvolvimento sustentável.